terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Deputado quer instalar CPI “limpa pau de galinheiro”


Crédito da foto: www.rogeriobonato.com.br

A expressão “mais sujo que pau de galinheiro” quer dizer que o sujeito é mais desonesto que a maioria das pessoas consegue ser.

“Limpar pau de galinheiro” é o esforço que se faz para limpar o seu nome, e mostrá-lo como uma pessoa digna e honesta.

A Folha de São Paulo/site UOL se especializaram, há anos, nesse tipo de prática.

Basta um rico&famoso (sic) se meter em alguma roubada que lá vem o UOL (e às vezes a Folha) despejar toneladas de “matérias simpáticas” para limpar a barra do gajo ou da gaja.

Uma das atuais prediletas da dupla Folha/UOL é a chatíssima e preconceituosa Suzana Vieira.

Essa gente deve ter uma boa assessoria de imprensa para, apesar das inúmeras cagadas que obram pela vida, conseguir emplacar em veículos tão importantes quanto os dois as matérias a eles simpáticas.

Ou deve ser o jabaculê – jabá é quando um jornalista recebe um mimo para divulgar uma determinada música. Com o tempo, a expressão se alastrou e hoje se refere a qualquer forma de corrupção para a divulgação de “matérias simpáticas”.

O Velho Guerreiro, o Chacrinha, meio que se especializou em denunciar o jabá em seus programas.

Atualmente Chacrinha não se criaria em nenhuma emissora de TV, hoje sufocadas pelo jabaculê.

Irritado com o excesso de “matérias simpáticas” a ricos&famosos cheguei a escrever à ombudsman da Folha, na época a Suzana Singer, reclamando. Ela disse que iria passar o meu reclamo “à editoria competente”, respondi que não precisava, pois aquilo era jabaculê; ela fez a tréplica dizendo que a Folha não aceitava jabá; eu disse que aceitava sim, e que ela estava mentindo.

A discussão terminou por aí.

O pau do deputado

O inexpressivo parlamentar Ricardo Barros (PP/PR) quer instalar na Câmara (federal) uma CPI para “apurar os reflexos das sondagens (pesquisas de opinião) nas eleições”.

Típica CPI que não vai levar a nada, ou melhor, vai levar aonde todos nós já sabemos que levará: as pesquisas não influenciam na decisão do eleitor.

Elementar!

No momento em que o Brasil está envolvido num sem número de casos de corrupção, o maior deles o Lava Jato, que está destruindo a presidência de Dilma Rousseff e deve levar o Partido dos Trabalhadores à beira da extinção, uma CPI dos institutos de pesquisa é de uma inutilidade assombrosa.

Se não estivéssemos metidos nessas denúncias atuais todas seria inútil da mesma forma.

Tirando a estupidez que fez o Instituto Sensus (que apontou a vitória de Aécio Neves com quase 20% de vantagem sobre Dilma Rousseff) e o instituto Vox Populi, que é mais simpático ao PT que os seus militantes, em geral os institutos de pesquisas mostram exatamente aquilo que o brasileiro está pensando naquele momento, sem tirar nem por.

O chororô à esquerda e à direita, a cada divulgação do que foi “apurado” numa pesquisa, não passa disso mesmo: chororô.

Então vamos cuidar do Lava Jato que a coisa está pegando, e pegando pesado.

No mais sigamos com a nossa vidinha.