sábado, 7 de fevereiro de 2015

Comunicação perfeita



Uma conhecida anedota árabe conta que um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes.

Logo que despertou, mandou chamar um adivinho para que interpretasse seu sonho.

“Que desgraça, senhor! Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade.”

“Mas que insolente, gritou o sultão, enfurecido. Como te atreves a dizer-me semelhante coisa? Fora daqui!”

Chamou os guardas e ordenou que lhe dessem cem açoites, e, em seguida, mandou que trouxessem outro adivinho e lhe contou sobre o sonho.

Este, após ouvir o sultão com atenção, disse-lhe: “Excelso senhor! Grande felicidade vos está reservada. O sonho significa que haveis de sobreviver a todos os vossos parentes.”

A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar cem moedas de ouro ao segundo adivinho.

E quando este saía do palácio, um dos cortesãos lhe disse admirado: “Não é possível! A interpretação que você fez foi a mesma que o seu colega havia feito. Não entendo porque ao primeiro ele pagou com cem açoites e a você com cem moedas de ouro.”

“Lembra-te meu amigo, respondeu o adivinho, que tudo depende da maneira de dizer... Um dos grandes desafios da humanidade é aprender a arte de comunicar-se. Da comunicação depende, muitas vezes, a felicidade ou a desgraça, a paz ou a guerra. Que a verdade deve ser dita em qualquer situação, não resta dúvida. Mas a forma com que ela é comunicada é que tem provocado, em alguns casos, grandes problemas.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário