domingo, 23 de novembro de 2014

Dilma Rousseff dá miçangas e espelhinhos pra índio


Crédito da ilustração: desciclopedia.org

Reza a lenda que o bandeirante Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhanguera, enganou os índios no interior goiano colocando fogo em álcool como se fora em água.

Os índios teriam se assustado com o poder do bandeirante em incendiar as águas e, temerosos, permitiram que Anhanguera perpetrasse as mais sórdidas brutalidades na região.

BALELA!

Índio não é burro. Se tem alguém que conhece a natureza melhor que a palma das próprias mãos este é o índio.

“Amantes da natureza
Eles são incapazes
Com certeza
De maltratar uma fêmea
Ou de poluir o rio e o mar
Preservando o equilíbrio ecológico
Da terra, fauna e flora”
(Baby do Brasil / Todo dia era dia de índio)

Anhanguera estava à cata de minas esmeraldas e de ouro, lá pelas bandas do rio Vermelho. Não encontrou, mas massacrou e estuprou o quanto pode.

Era a civilização cristã ocidental chegando a “terras brasileiras”.

É Lula

Crédito da foto: editorart.wordpress.com
A mesma civilização que arribou Luiz Inácio Lula da Silva dos interiores de Garanhuns rumo a São Paulo num pau de arara.

É fácil imaginar o que imaginava Lula da Silva na carroceria do caminhão: comprar uma cama pra mãe não dormir mais em rede, uma geladeira e, quem sabe, um carrinho de segunda mão.

É o mote que move o lulopetismo até hoje: “duela a quien duela”.

Vá lá que os 8 anos de Lula da Silva na Presidência da República não foram qualquer coisa. Fez o que em mais de 500 anos ninguém fez ou quis fazer.

Aos inimigos, as batatas.”

Fez, mas parou por aí, pois o modelo se esgotou, e quem venceu foi Delfim Neto, ministro da ditadura, para quem primeiro o bolo tem de crescer para depois distribuir as fatias.

É difícil entender quem vai ficar com as migalhas? Não é não né?

É o tal do desenvolvimentismo tão caro à presidentE Dilma Rousseff.

Vá lá , mais uma vez, que Lula da Silva realmente fez, mas não fez a metade do que fez Hugo Chaves na Venezuela.

É verdade que existem diferenças fundamentais entre os dois países: a Venezuela não é tão grande assim e por lá jorram milhões de litros de petróleo estatizado dia sim, outro também.

Por aqui, o lulopetismo se ancorou nos empréstimos a fundo perdido do Banco Interamericano e do Banco Mundial para tocar a sua evoluçãozinha social, embora a direita teime em dizer que os recursos das bolsas saem dos impostos que ela, aliás, sonega às escâncaras.

Arcaísmo

Crédito da foto: www.ibase.br
No Palácio do Planalto, o PT de Lula da Silva desenterrou dos escombros coisas do arco da velha, como a transposição do rio São Francisco (d. Pedro primeiro) e Belo Monte (Ditadura Militar).

Se JK não tivesse construído Brasília era bem capaz...

O passadismo arcaico do lulopetismo conseguiu, em 8 anos, a proeza de dar a volta ao mundo e chegar ao mesmo ponto onde se iniciou.

Nem os pousos das naves da Nasa são tão precisos.

E é ai que entram as digitais da presidentE Dilma Rousseff, a mãe do PAC.

É Dilma

Crédito da foto: acritica.uol.com.br
Rousseff é uma boa pessoa. Bem educada, bem formada, leal, lutadora, destemida, corajosa, inteligente.

Não se iludam. Não é fácil passar pelo que essa MULHER (tudo em caixa alta mesmo) passou e mesmo assim estar aí, perseverar, ir em frente, contra tudo e contra todos.

Não é para qualquer um.

Trata-se de um exemplo.

Mas é europeia, e como todo europeu que se preze, odeia índio.

Índio é um empecilho com sua preguiça, com seu pouco caso ao desenvolvimento, com seu não tô nem aí para as organizações corporativas, para o pragmatismo judaico e para o capitalismo solapador.

Um desses blogueiros esquerdistas, ontem, colocou em dúvida se os indígenas eram assim tão desenvolvidos quando por aqui aportaram as naus lusitanas e espanholas.

Depende. Depende do que o nobre jornalista esquerdista entenda por desenvolvimento e que parâmetros usa para medi-lo.

Os maias, que nem mais existiam em 1400 e qualquer coisa, já tinham “a mais avançada das mais avançadas das tecnologia” (CV) quando por aqui apareceram os europeus.

Uma humilhação total, afinal há pouco anos a Europa havia descoberto que a “Terra era redonda” (muita gente não acredita nisso até hoje).

É Katia

A indicação de Katia Abreu para a pasta da Agricultura (consume-se ou não) é uma afronta aos índios, aos sem-terra, aos ribeirinhos, aos quilombolas.

Acesse a página do MST e indigne-se com o Movimento, que lá tem um belo texto.

E não me venham os petistas dizer que isso é especulação da imprensa que não é não.

É ameaça concreta.

Aliás, para os surdinhos abilolados do PT, Katia Abreu quase foi ministra da mesma pasta no primeiro governo de Dilma Rousseff (este que já acabou sem acabar).

Só não o foi por conta da enorme grita e pressão dos movimentos sociais.

Pois então, está na hora de os militantes petistas das redes sociais levantar a bunda da cadeira, fechar o Facebook e cair na estrada para ver “que País é esse?”.

A ignorância só não é um dos pecados mortais porque Deus ficou com preguiça de ditá-lo.

Acenar com redução de IPI e outras bugigangas, é dar espelhinho e miçangas pra índios, nobre presidentE Dilma Rousseff, enquanto a senhora tenta colocar fogo na tigela de álcool nomeando Katia Abreu.