sexta-feira, 2 de maio de 2014

O macaco, a banana e o direito de reagir sempre


Crédito da foto: www.bbc.com

Centenas de pessoas foram ontem às ruas na Espanha (veja aqui: http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2014/05/02/espanhois-vao-as-ruas-para-apoiar-jovem-que-jogou-banana-em-daniel-alves.htm) para apoiar David Campayo Leo, o torcedor acusado de jogar a banana que o lateral Daniel Alves comeu na semana passada.

Vou às minhas muitas recorrências (sou um sujeito de recorrências): é um direito inalienável o da manifestação, o dos protestos etc. e tal. Sou, como já disse n vezes, favorável a todas, mesmo àquelas com as quais não concordo.

Nem precisaríamos de legislações garantindo o nosso direito à manifestação. É um direito nosso, que nasce quando nascemos. Aliás, de uma forma ou outra, qualquer legislação é castradora, intimidadora.

Fôssemos civilizados de verdade dispensaríamos todas elas.

O grupo (com gente de toda idade) protestou contra o exagero das punições impostas a Campayo: prisão, processo, ameaça de 3 anos de cadeia e banimento dos estádios.

O grupo de apoiadores já criou, inclusive, uma campanha nas redes sociais #TodosSomosDavid# para se contrapor ao #somostodosmacacos# e sobrou até para a imprensa, acusada de "extrema criminalização" e ”linchamento” moral.

Bons combates

Duas facetas interessantes nos protestos espanhóis em apoio a Campayo:

- O papel da imprensa em casos como esse (que se somam aos milhões), imprensa sempre ávida por criminalizar, por estereotipar, e quase nunca dar voz ao acusado.

- A estupidez excessiva das punições. Há um descompasso claro entre o ato racista de Campayo e o rigor das penas a ele impostas (as que foram e as que serão).

Já discuti duramente com algumas pessoas por conta da estudante de direito Mayara Petruso, condenada a 2 anos e 7 meses, por conta de ataques preconceituosos contra nordestinos.

Petruso foi condenada à prestação de serviços comunitários. Muita gente dita de esquerda defendeu que ela deveria ser encarcerada numa prisão. Gente que acha que José Dirceu e José Genoíno sequer deveriam ser condenados e presos.

É pura raiva. É ódio. Despeito. É confissão de incompetência, e de incapacidade para viver em sociedade.

Uma terceira coisa interessante nessa história toda, mas aí inclusivamente por conta do #somostodosmacacos# .

A campanha reativa desfechada por parte do movimento negro brasileiro ao #somostodosmacacos# não vingou.

Inda bem. Não podemos ser tão estúpidos assim ao associar uma campanha que fala fundamentalmente das herança genéticas dos seres humanos, à luz das teorias de Charles Darwin, a um suposto reforço ao ato discriminatório que iguala o negro ao macaco.

Nem sempre os idiotas vencem.

Ainda há esperança para o ser humano.