sexta-feira, 28 de março de 2014

Outro ato racista? Alguma novidade?



Eis que entra em cena o garboso copiloto da Avianca, Eduardo Pfiffer, para chamar os nordestinos de “povo porco” e de “povo escroto do caralho”. Não por acaso é branco, e para piorar a situação é de Santa Catarina.

Todos os barriga verde são racistas? É provável que não, mas já tive o desprazer de trabalhar algumas vezes no Estado e ouvi coisas assombrosas.

Estou de preconceito? ESTOU!

Como é comum, após as ameaças e xingamentos nas redes sociais e com o perigo de perder o emprego o garboso Eduardo Pfiffer disse que não foi bem assim, que pedia desculpa, e acabou por apagar o perfil no Facebook.

Dianta não, abestado. Agora já foi. Se quiserem (se alguém quiser), e de deveriam querer, vais tomar um processo nas costas igualzinho o da Maiara Petruso, aquela da eleição da Dilma, que tomou dois anos e meio de cana pela tampa.

E mais, o garboso já perdeu o emprego. Vai ter de se virar um bocado agora para arrumar outro com esse curriculuzinho sujo.

Talvez vire aqueles aviadores que pulverizam plantações no interior do Brasil. Emprego aí é que não falta, assim como não falta um bocado de preconceito.

O garboso pode até cantar de galo junto aos seus novos futuros amigos roceiros.

Estou de preconceito? ESTOU!

O que é?

Mais uma vez esbarramos na história se foi racismo ou injúria racista. Assim como no caso da estrangeira que ofendeu uma cabeleireira ou manicure, não sei mais ao certo, aqui em Brasília há pouco mais de um mês, trata-se de injúria e não de racismo.

A diferença está entre o ato de ofender e o ato de impedir.

Acuma é?

E como sempre centenas de internautas manifestaram o absurdo do politicamente correto, de que o garboso apenas expressou a sua opinião e outras baboseiras do gênero.

Racistas, preconceituosos e apoiadores do racismo e do preconceito, que, até por definição, igualmente são racistas e preconceituosos, é o que não falta nesta Pindorama.

Como já se disse por aqui outras vezes, “o Brasil teima em não sair da barbárie".

E é Brasil mesmo e não Pindorama, porque Pindorama é coisa de índio, e se tem um cara civilizado (moralmente civilizado) esse sujeito é o índio.