segunda-feira, 24 de março de 2014

A marcha da família foi comandada pelos três patetas



Demorou um bocado para cair a ficha de muita gente boa: a tal marcha(murcha)-fiasco de sábado teve o comando de ex-milicos – hoje todos de pijamas – assustados com os avanços da Comissão Nacional da Verdade.

Elementar, meu caro.

Os três patetas que “lideraram”, nas redes sociais, a convocação - a mulher desempregada e sua filhota e o tal do Toscano - são nada mais, nada menos que isso mesmo: três patetas.

A milicada-de-pijama sabe que a água está subindo e chegando às suas bundas.

O resto – meia dúzia mais ou menos – que foi à rua foi apenas desfilar a sua ignorância. Há quem tenha orgulho da ignorância.

Tem maluco pra tudo.

Há dois anos – ou pouco menos – quando se começou a usar as redes sociais para esse tipo de malucagem as adesões somavam coisa de 300 mil pra cima. Hoje não chegam a 10 mil.

Isso só prova a tese deste afalaire: as redes sociais, a internet não servem para nada. São meros passatempo.

Se alguém quiser mudar alguma coisa – seja lá o que for – tem de levantar a bunda da cadeira, ir para as ruas e botar a cara a tapa.

A maioria não consegue fazer isso por puro medo, paúra pura.

Cascateiro, valentão e pegador de internet é o que não falta.

Isso não diminui o fato de que muito mais que a metade dos brasileiros é conservador e reaça. Mas é uma mistura estranha essa: conservador + reaça + covarde.

Esse tipo de gente não dá golpe nem em bêbado em coma alcoólica estrebuchando em calçada de bar.

O perigo é essa ignorantada toda eleger um Congresso Nacional pior que esse que está aí: com mais homofóbicos, com mais racistas, com mais conservadores.

Por quem vota o brasileiro

Já discuti com alguns amigos e aqui neste afalaire.

Para o executivo federal (presidência) o brasileiro vota do centro para a esquerda -  GV, JK, FHC, Lula e Dilma - ou em bad boys – Jânio e Collor – pois sabe bem que é do poder central que saem – quando saem – as políticas públicas ou alguma malucagem inesperada.

Para o legislativo federal e estadual + o executivo estadual (governadoria) em candidatos centristas, ora à direita, ora a esquerda, dependendo do blábláblá eleitoreiro, pois o que se espera é que essa cambada, principalmente os governadores, bote a tropa na rua para prender ladrões, e lhes dê água e energia elétrica.

Nos municípios (prefeitos e vereadores) se vota na base do compadrio, no canalha que lhe promete um asfaltinho na rua ou um empreguinho na prefeitura. Esses caras quase sempre são de direita, conservadores, meio bandidões e reacionários.

Passarim

Derrubar a Dilma ou o PT do poder com passeatinhas, com meia dúzia de gatos pingados vestidos ridiculamente de verde-e-amarelo ou com piadinhas estúpidas nas redes sociais é o mesmo que sonhar em chegar à lua de bicicleta.

O perigo, como se disse acima, é que esse bando de lunáticos estúpidos descubra que o maior golpe na democracia é usar a própria democracia elegendo um Congresso Nacional pior do que este que está aí.

Mas não creio que isso venha a acontecer em pouco tempo: pois os mesmos descalibrados que pregam esses golpes-sem-golpe, defendem o voto facultativo e, muitos deles, até o voto distrital (puro ou misto).

O voto facultativo + distrital (puro ou misto) levariam o Brasil a barbárie na passagem de um 31 de dezembro para um 1º de janeiro.

Quem sabe esse tipo de gente descubra isso e tente piorar o que já é ruim?

Dessas cabeças é possível esperar que saia qualquer coisa.