segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Nova denúncia acerta fígado de José Dirceu


Reprodução sítio UOL/Folha de São Paulo

O ex-ministro da Casa Civil do governo Lula, José Dirceu, tem um ótimo blog, sempre ponderado, bem escrito e com informações e análises importantes para quem quer conhecer um pouco da vida política nacional.

Hoje pela manhã acabei surpreendido pelo texto Jornalões não dão trégua. E já começam campanha eleitoral de 2016 contra Haddad , atacando frontalmente os jornais paulistas Folha de São Paulo e o Estado de São Paulo.

De acordo com o texto, “Os jornalões descobriram – se é que em algum momento deixaram de perceber isso – que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), está fazendo uma boa administração”; “ele (Haddad) está se recuperando nas pesquisas de opinião pública (nas quais fizeram de tudo para derrubá-lo)”; “Pronto, foi o suficiente para deflagrarem novo bombardeio contra ele”; “Contra Haddad a Folha já elegeu até suas duas principais bandeiras da campanha contra: o IPTU progressivo .... e contra o transporte coletivo...”.

Definitivamente esse não é o estilo de José Dirceu e nem de seu ótimo blog.

O que estaria acontecendo?

A resposta veio no sítio UOL/Folha de São Paulo – “jose-dirceu-recebeu-r-886-mil-de-empreiteira-investigada-na-lava-jato”-, às 18h46.

Originalmente a denúncia saiu na revista IstoÉ, mas sem grande repercussão.

A FSP buscou ouvir José Dirceu a respeito (e, portanto, ele sabia que viria chumbo grosso por aí, e que o “jornalão” – como ele mesmo classifica a Folha – não iria deixar para a “edição de amanhã”) – e o ex-chefe da Casa Civil tentou se antecipar, atacando os veículos em outra frente.

Sua “assessoria” respondeu ao jornal que “o contrato (de sua empresa com a Camargo Correa) não tem nada a ver com a Petrobras e que os serviços foram prestados no exterior”.

A Camargo Correa é uma das empresas indiciadas no chamado “Escândalo da Petrobras”.

A empresa confirmou a existência do contrato com o ex-chefe da Casa Civil da Presidência, mas não quis se estender sobre o assunto.

É preciso dizer mais alguma coisa?

Nenhum comentário:

Postar um comentário