segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Qual é o problema de 3 jovens correrem nuas pelas ruas de Porto Alegre?




Que a polícia tente prender as três jovens que correram nuas pelas ruas da capital do Rio Grande do Sul até se entende.

Afinal essa idiotice de “atentado ao pudor” está no código civil brasileiro, e sujeito a punições.

A Era Vitoriana teima sem não sair de cartaz, principalmente em países hiper conservadores como o nosso.
 
Que a sociedade reaja como está reagindo, no meio delas muito “cabeça boa de esquerda”, aí já é um pouco demais.

Dá vontade de tirar umas férias pelos próximos 65 anos, e ir para Marte.

E se fossem senhores gorduchos?

A sociedade ocidental (e digo sociedade ocidental por toda a experiência libertária que o Ocidente passou nos séculos 19 e 20) parece ainda viver numa adolescência pré-vitoriana, anterior aos experimentos exacerbados dos anos 50/60 e parte dos 70 (movimento hippie etc. e tal), momento de contestação radical dos costumes, de liberdade sexual, da experimentação com drogas e do convívio coletivo.

Teimamos na caretice, no conservadorismo, e não adianta colocar a culpa na religião, no cristianismo ou no judaísmo, que a moralidade ocidental tem pouco ou nada a ver com elas.

Há religiões mais conservadoras e radicais, mas, no entanto, muito mais permissivas moralmente.

Bem mais imoral (se é que tem alguma coisa de imoral em jovens saudáveis e bonitas correrem nuas pelas ruas de Porto Alegre) é o salário mínimo brasileiro, que apesar dos avanços nos três governos petistas continua indecoroso e estúpido.

Bem mais imoral é a promiscuidade do judiciário com as elites brasileiras, sistema este, o judiciário, que sim mereceria uma ampla reforma.

Bem mais imoral é o poderoso mecanismo de preconceito que assola o Pais desde seu nascedouro, ora penalizando os índios, ora os negros escravizados, ora os italianos, essa raça porca, ora os japoneses, e por hora nordestinos, pardos e pobres em geral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário