domingo, 8 de dezembro de 2013

Então mãos à obra: vamos botar todo mundo na cadeia




Crédito da foto: www.geledes.org.br

Na sua insânia higienista (punitiva?) o dr. Simão Bacamarte (O alienista, Machado de Assis) chegou a encarcerar 75% da população de Itaguaí (RJ) no manicômio Casa Verde, até descobrir que o único que merecia ir para a reclusão era ele mesmo.

Ano após ano, a Alemanha tem demolido mais e mais prisões.

Na contramão alemã, os EUA têm construído, ano após ano, mais e mais prisões.

Não por acaso, atualmente 2,3 milhões de pessoas estão presas no país norte-americano.

Há quem, por aqui, defenda a prática norte-americana e não a alemã.

As prisões dos “mensaleiros do PT” causou júbilo nas ruas e festas em muitas redações de jornais.

Somos todos Simão Bacamarte?

Parece.

Não funciona

Na edição da semana passada do programa Saia Justa, na Globo News, uma das participantes, entusiasmada com as prisões higienistas dos “mensaleiros do PT”, chegou ao auge da euforia, perguntando, em tom já de resposta, a um convidado (psiquiatra) se isso (as prisões dos “mensaleiros do PT”) não iria colocar o País, agora sim, no “caminho certo”.

Não!, respondeu o psiquiatra. Prisão é sinônimo de falência da sociedade.

E, acrescenta-se aqui, tal qual Simão Bacamarte, as intenções que dão sustentação à tese do encarceramento são outras: interesses econômicos, corrupção, raiva, despeito etc. e tal.

Mortes

Outra forma de punir os indesejáveis de Itaguaí é pela morte. Especialmente quando ela é provocada pelas “forças de segurança“ – a polícia, por exemplo –, o que nos permite ir dormir o “sono dos justos”.

Na Islândia (cuja história remonta ao século 9, embora sua independência da Dinamarca tenha ocorrido apenas em 1904) pela primeira vez, semana passada, a polícia local matou uma pessoa a tiros.

Na citada Alemanha, ano passado, a polícia local disparou nas ruas 96 vezes. Mais da metade foram tiros de advertência.

Um humorista e apresentador de talk show norte-americano ficou abismado com a performance alemã, e disse, entre risos & sorrisos, que a polícia de Detroit também atira 96 vezes: “contra uma só pessoa”.

Precisa citar exemplos brasileiros?

Madiba

Não são poucas (e muito justas) as muitas homenagens que Nelson Mandela está a receber.

Mas não são poucas (e estúpidas) as homenagens hipócritas e de hipócritas que Nelson Mandela está a receber.

Gente que aqui (para ficarmos apenas nos exemplos brasileiros) odeia “os direitos humanos”, criminaliza os pobres, detesta os movimentos sociais, achincalha os esquerdistas está a verter todas as lágrimas por Madiba.

Lágrimas de crocodilo?

E se Madiba aqui vivesse?

Não estaria na Papuda sob vivas & aplausos dessa gente tão condoída assim com a morte do líder sul-africano?

Nenhum comentário:

Postar um comentário