terça-feira, 29 de outubro de 2013

O Brasil vai implodir ano que vem (?)



Talvez seja apenas uma coincidência (infeliz). 2014 = Copa do Mundo + eleições gerais (presidente, governador, senador, deputado federal, deputado estadual).

Com essa Lula da Silva e o PT não contavam. Ou, quem sabe?, faziam a conta ao contrário.

Mas a ordem dos fatores não altera o produto.

O Brasil está às portas de um grande incêndio, e os sinais de fumaça são vistos desde junho.

Os protestos estão recrudescendo e fazendo um movimento pouco visto na história brasileira: juntando as pontas - os mais pobres com os mais ricos, e vice-versa, como notou uma pesquisa feita pelo DataFolha.

Pior: estão ficando mais duros e violentos.

E a repressão parece não dar conta do recado. Ou, quem sabe, não pode agir com a violência descarada e costumeira, pois estamos a um ano do pleito.

“Chama o ladrão”

Ninguém melhor espelha as angústias e anseios de Lula da Silva que o jornalista Ricardo Kotscho, que foi n vezes seu assessor e é amigo.

Pois vem de Kotscho, no seu Balaio, hoje, o brado mais forte contra “a onda de banditismo que fugiu ao controle das autoridades de segurança pública estaduais”.

"Já passou da hora de o Ministério da Justiça acionar a Força Nacional para, junto com as polícias estaduais, tomar medidas concretas para evitar que esta onda se alastre pelo resto do país, com a formação de outros grupos organizados, inspirados nos chamados "black blocs", e tome proporções incontroláveis quando a campanha eleitoral esquentar no próximo ano".

“Enquanto as forças de segurança demoram a agir, o fato concreto é que a bandidagem perdeu o medo e o respeito pelos homens de farda encarregados  de manter a ordem pública. E faltam apenas seis meses para começar a Copa do Mundo no Brasil. Quem ainda se habilitará a vir para cá no meio desta guerra?”

Preocupações

Lula da Silva e Ricardo Kotscho (por procuração) estão preocupados se torcedores de outros países virão ou deixarão de vir ao Brasil para assistir à Copa do Mundo?

Mais ou menos.

Seria realmente um vexame o Brasil receber menos torcedores estrangeiros que os das Copas anteriores.

O foco maior de preocupação, porém, não está no meio do ano, mas nas eleições que só acontecem em outubro.

Ruptura

A ação dos black bloc já causou estragos no meio dos apoiadores do lulo-petismo na blogosfera.

Há quem os defenda; há quem os ataque (como Kotscho), e já começaram as trocas de acusações e xingamentos entre os lulo-petistas.

A presidente Dilma Rousseff está reticente quanto a atender ao pedido dos governadores para “botar a tropa na rua”.

Também está fazendo ouvidos de mercador quando o pedido vem de Lula da Silva e seus apoiadores.

Dilma tem pouco a temer dos seus opositores – Aécio, Serra, Marina e Eduardo -, mas deve temer um bocado a moçada na rua quebrando tudo e não indo votar em outubro.

A defecção eleitoral não tem efeitos no Brasil por conta de um arranjo malandro (feito há anos) que desconsidera os não votantes ao final de cada pleito.

Mas dá para imaginar que uma abstenção superior a 50% inviabilizará qualquer governo “legitimamente eleito”.

Se bem conheço dona Dilma é isso que está lhe deixando os cabelos mais brancos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário