quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Zé Serra vem aí de novo (?)


Crédito da foto: revistaforum.com.br

Há um dado novo (novo!?) na corrida presidencial: o tucano José Serra.

O político do PSDB (e já por duas vezes candidato à Presidência da República) foi incluído na amostra do Instituto Paraná Pesquisas e aparece (18,5%) em terceiro, na frente de Aécio Neves (11,1%) , mas suplantado por Marina Silva (19,6%) e Dilma Rousseff (32,1%).

Estranho dois candidatos do PSDB na mesma pesquisa?

Não é não. Trata-se de uma pesquisa apenas, e não de uma eleição. É comum incluir-se candidatos de um mesmo partido mesmo sabendo que eles não poderão concorrer ao mesmo tempo.

Recentemente, o DataFolha incluiu Lula da Silva, que acabou por aparecer em primeiro, na frente da presidente Dilma (a segunda colocada).

Quem não entende de pesquisa e não quer entender de pesquisa resmunga.

Pois que continue resmungando.

Vai Serra mesmo?

Serra quer porque quer ser pela terceira vez candidato a presidente.

Está seguindo os passos do baiano Ruy Barbosa e do pernambucano Lula da Silva.

O tucano teve um início de história política muita parecido com o do petista José Dirceu, um dos homens mais criminalizados e odiados pela imprensa conservadora e por uma camada da população brasileira que está na parte de cima da pirâmide social.

Serra foi líder estudantil, teve problemas com a ditadura militar, teve que sair do País, casou como uma estrangeira, perambulou por aí, e quando voltou fez parte do mesmo grupo do qual Zé Dirceu fazia, e cujo objetivo era dar os últimos tabefes nos ditadores.

A separação de Serra e Dirceu se dá pela criação dos seus respectivos partidos (PT e PSBD), mas, principalmente, por suas “origens ideológicas” (sic).

Enquanto Dirceu sempre esteve mais à esquerda, num flerte claro com o marxismo-leninismo, Serra tem sua história fincada na social-democracia e na esquerda católica.

A guinada de Serra

No poder, como ministro de FHC e figura de ponta do tucanato, José Serra dá preocupantes e seguros passos para o centro (ideológico), com uma passada ou outra pela direita.

Menos porque teria abandonado o seu perfil de socialista-burguês, e mais como prática política; como forma de se manter sustentável politicamente num País onde boa parte do dinheiro que sustenta os políticos e seus partidos vem da direita tradicional e rica.

No futuro, Serra (assim como Dirceu) deverá ser alvo de inúmeras biografias, estudos, papers, artigos.

Afinal, é uma das figuras mais emblemáticas na luta contra a ditadura e pela redemocratização do País.

Os trens

Não é surpresa alguma que Serra apareça em terceiro na pesquisa do instituto paranaense.

Surpresa será - caso seu nome se mantenha em futuras pesquisas - que ele continue em terceiro, sem conseguir ultrapassar Marina Silva.

Serra tem mais cacife político que a líder da Rede Sustentabilidade e que os prováveis candidatos Aécio Neves (PSDB/MG) e Eduardo Campos (PSB/PE).

Aliás, ambos tem avós famosos: Tancredo Neves e Miguel Arraes.

Acontece que os trens de ambos teimam em não trilhar.

O “Trem Azul” (1) de Aécio Neves mal o permite chegar às praias do Espírito Santo.

O “Trem Maluco (2) quando sai de Pernambuco vai fazendo vuco-vuco” mal leva Eduardo Campos ao Ceará.

O que resta saber é se o PSDB vai se convencer de que se alguma chance há para o partido em 2014 essa chance é o velho, ranzinza, mal educado e indestrutível José Serra.

= = = = =

(1) Letra e música de Lô Borges

O Trem Azul
Coisas que a gente se esquece de dizer
Frases que o vento vem as vezes me lembrar
Coisas que ficaram muito tempo por dizer
Na canção do vento não se cansam de voar
Você pega o trem azul, o Sol na cabeça
O Sol pega o trem azul, você na cabeça
Um sol na cabeça
Coisas que a gente se esquece de dizer
Coisas que o vento vem as vezes me lembrar
Coisas que ficaram muito tempo por dizer
Na canção do vento não se cansam de voar
Você pega o trem azul, o Sol na cabeça
O Sol pega o trem azul, você na cabeça
Um sol na cabeça


(2) Cantiga de roda nordestina (origem desconhecida)

O trem maluco
Quando sai de Pernambuco
Vai fazendo vuco-vuco
Até chegar no Ceará
Rebola pai, mãe, filha
Eu também sou da família
Também quero rebolar
Um pouquinho de coca-cola
Um pouquinho de guaraná
A danada da professora me ensinou o bê-a-bá
Sete e sete são catorze
Com mais sete, 21
Tenho sete namorados
Não me caso com nenhum
Só me caso com aquele
Que me der um jerimum
Mum-mum

Nenhum comentário:

Postar um comentário