sexta-feira, 19 de julho de 2013

Papa não terá vida fácil no Brasil



Antes mesmo de Francisco chegar ao Brasil o que se vê é um grande embate entre o governo brasileiro e o Vaticano.

Parte do governo acha que é preciso ampliar a segurança do Sumo Pontífice, enquanto a Santa Sé tenta tirar de letra essa história toda.

Acha, a Santa Sé, que por ser um papa, de um País latino e vizinho do Brasil as ameaças podem ser desprezadas.

Só o fato de Francisco ser argentino já é um complicador por aqui.

Esses caras do Vaticano não conhecem a nossa tacanhice social.

Mas esse é o menor dos problemas – se é que é um problema objetivo.

O papa Francisco chega a um País convulsionado. As manifestações de junho se fragmentaram em centenas de outras. Por aqui, atualmente, se protesta até contra chiclete jogado no chão.

Francisco ainda vai para o Rio de Janeiro, a cidade mais convulsionada do Brasil neste momento. Lá todos são contra tudo: contra a Globo, contra a presidente, contra a polícia, contra o governador, contra o prefeito e até contra casamento de bacana.

Não bastasse tudo isso, o papa Francisco ainda vai ter de encarar essas histórias de aborto e do casamento gay.

A Igreja Católica está caretona demais quando o assunto é o direito e a saúde da mulher, e o direito de quem não é heterossexual.

Encara ainda um substancial decréscimo de fiéis, e, para piorar a situação, o papa Francisco tem ao seu lado o que há de pior no catolicismo.

Como sugeriu o jornalista Ricardo Kotscho, o melhor mesmo seria o papa ficar em Roma e não dar o ar de sua graça por aqui, especialmente nestes tempos de convulsões.

Como assim?

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, perdeu uma boa chance de ficar calado ao sugerir que a segurança do papa seja feita pelos próprios fiéis.

Gostaria de ver essa: como beatos e beatas iriam se comportar assim que a moçada do black bloc começasse a se movimentar.

E eles estarão presentes, tanto no Rio de Janeiro, quanto em Aparecida do Norte (SP) – aliás, Aparecida é um dos lugares mais feios que já conheci.

A ideia de o papa Francisco desfilar no papamóvel sem aqueles vidros blindados também não é nada sensata.

É provável que ele leve umas ovadas e umas laranjadas.

Aguardemos, mas que vai ser divertido, isso vai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário